15 de janeiro de 2018

A vida se conta?


Questiona meu ser: A vida se conta?
Em primaveras, anos que abrem e fecham em data específica
É assim que eu conto a vida?
Não, para mim não é assim.
Eu conto a vida em experiências vividas
Emoções adquiridas e até mesmo em silêncios memoráveis
No deitar na rede e viajar em pensamentos
Mergulhando no passado saudoso
Refletindo no futuro misterioso
E vivendo o hoje, o hoje que me possibilita a viajar entre esses dois mundos
Do concretizado ao sonhado
Eu fecho os meus olhos e digo:
Obrigada vida! É assim que eu te conto
Não em comemorações de algo que eu não sei bem o que é
Amigos? Conquistas? Um bolo, uma festa não vai me fazer tão feliz
Do que poder andar descalça como sempre andei
Abrir os braços e rodar, rodar sorrindo
Olhando o céu azul mesclado em branco de nuvens que vem e vão
E gira, como é bom ver o mundo girar
Assim eu conto a vida, mas o bom mesmo seria nem mesmo contar
Apenas apreciar o doce abrir dos olhos nas manhãs com raios de sol
E se for chuva? Ainda melhor! Na cama mais alguns minutos para eu me espreguiçar
Tanto faz que corram as horas, que o dia logo vai passar
Eu estou viva, respirando, então só quero aproveitar!
Acariciar a roseira do meu jardim, dar bom dia ao meu filho-cachorro
Sentir o cheiro de café que abençoa o dia novo
Dia menino, dia moço, dia velho e logo chega ao fim
E ao fechar seu ciclo, eu pergunto a mim:
Vivi da melhor forma este dia? Eu torço para que sim!
E assim, dia após dia vamos abrindo e fechando ciclos
Nos aventurando e correndo riscos
Aprendendo com erros e acertos
Transformando o menos em mais
Sem cronometrar as horas felizes ou tristes
Para que nem uma, nem outra seja grande demais
E assim acrescento na vida minhas realizações e decepções
Fazendo dela a minha arte, o meu dever, a minha parte
E feliz fico em poder desfrutá-la
Vida minha, vida tua, para quê contá-la?
Apenas viva, dia após dia, passo por passo
Realizando o seu melhor tanto para ti
Quanto para os que escolheram viver ao teu lado
Nem anos, nem dias, nem horas, nada, nada...
Tenha a idade que seu coração quiser lhe dar
E que a juventude nunca falte em sua alma
Para ser feliz de verdade...
A nossa vida nunca deveria ser contada!
Apenas relembre do passado e sonhe com o amanhã
Mas não deixe de viver o hoje
Seja grato, verdadeiro e faça do menos o mais importante
Aprenda e repasse o que aprendeu
Afinal de contas a vida não nasce pronta
E é por isto, que fecho esta escrita com a mesma pergunta
Caros amigos, me respondam:
A vida se conta?


Debora

Um comentário:

arrow9ae45.png construction3263b.png
© Palavra Versátil | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger.